Tuesday, December 01, 2009

Deserto das ondas



Saca um soco no seco?
A música arranhando o estômago
A ânsia um Tâmisa represado
Um barco sem mar...?

O chão da casa ainda tremulando
Nas brechas da persiana a noite insana
Uma aurora guardada sob o tapete
A dança de um instante maior que o infinito

E a faca amolada do dia seguinte
Cortando o sonho ainda molhado
Sangrando o gozo ainda nos lábios
Ácido prazer de um deus sádico!

E os dentes mastigando a estupidez
De ser devorada pelas palavras
Que em tua boca bebi
E na minha sussurrastes ventos[contra-alísios]

[E agora um mar sem fundo]
Espirais de búzios na ilha do silêncio
E um poema bêbado e bruto
Engolindo as águas da insensatez
Vazio ancorado no deserto das ondas...

(RaiBlue)

4 comments:

A.S. said...

Um deserto de ondas onde vagueia um poema bêbado e bruto, fazem as delicias de uns lábios sequiosos....

Cosmunicando said...

onde eu andava que não conhecia sua poesia?!

saca um soco no seco?
foi assim ao ler.
volto com tempo pra ver tudo, parabéns!

bjs

O NOVO POETA said...

seu blog é muito bom, adoro seus escritos poéticos, abraçossss

Cíntia Thomé, Escritora e Poeta. said...

Tudo aqui é Luz
Sol e Lua
Rai Blue...sempre azulzinha!


Beijos...volto...cintia thome