Thursday, September 10, 2009

Voo adentro



No café, os olhos ainda dormem
Enquanto os dedos procuram restos de sonhos
E o perigo a espreita
Numa dobra de papel
Origami de palavras
Pendurado no céu do pensamento

[que ainda não acordou]

O penhasco ainda ali
O salto e o vento
Voo adentro
O dia passa
E eu a um passo de ti
Preparo meus navios
Como quem conhece bem o mar
Levo as ondas no corpo
Hei de te alcançar
Ilha perdida de mim
E inaugurar-te em minhas terras
Procl[amar-te] meu país!!!

[Raiblue]

3 comments:

Danilo de Abreu Lima said...

rai,
enconrtrei seu blog. esse poema está lindo - origami de palavras- uma imagem forte, limpa e bela como as cerejeiras em flor do japão.
abraços DANILO.

o Patio das artes said...

Querida,
adorei teu poema, aliás todos são profundos e líricos.
Bjos,
Zilka Jacques

o Patio das artes said...

Adoeri teu poema, aliás, todos que li são profundos e líricos.Bj.
Zilka Jacques