Monday, August 17, 2009

Rapsódias púrpuras


Quando nossa escuridão se beija
Nascem vaga-lumes no céu róseo
Nas mucosas lúbricas auroras
O tempo vagando na eternidade dos poros

[Balançam as horas nos segundos que ardem]

Da flor incandescente do desejo brota o amor
No meio da relva tua língua tatua um sol escarlate
Garimpa topázios nos rios salgados
E no verde dos meus olhos jades e fogos

[ Arti_fí_cios de nós]

A noite é uma cortina de fumaça
Os sentidos fecundam o silêncio fértil
Gestação de sonhos no ventre do mistério
Ecos reverberam rapsódias púrpuras

[A brasa abraça os corpos nua dança lúdica]

O escuro ejacula estrelas [do maramor]
Naufragamos entre brumas cintilantes do espelho
Naus que se atracam sem endereço
Além da pele ondas viagens e espumas...

[Transpira o mar no horizonte nu]

(Raiblue)

4 comments:

ruas e avenidas said...

Vi aquele pedaço de aurora,
dei a costureira para que fizesse um bom e quente cobertor.
Agrada-me pensar que é possível ler-te pensando em esquentar a alma.
beijos

de farias said...

Lindo passeio por imaginações mil, que nos trazem lembranças maravihosas de momentos inesquecíveis...
Viajei bem debagar por todos os versos.

Roberto Ney said...

Olá, sabe quem me indicou seu blog? Sua prima e grande amiga minha, Mariana Sales...
Sou apaixonado por poesia e gostei muito do que li aqui. Gostei do seu estilo, da sensualidade implícita nas palavras, enfim... I´ll be back again!!

beijo grande!

O NOVO POETA said...

grande e nobre amiga da escrita, sou fã dos seus trabalhos.
e seu blog é lindo como vc, abraçosssss