Tuesday, May 12, 2009

AFRORUBROC(S)ER...


Pálpebras despertam
Abrem as cortinas do dia
No palco a dança do tempo
Os passos a pedra e os caminhos

No cinza o azul sou eu
nuance-nudez-ninho
nas ruas sem lei
vozes-vultos-vazios

A rosa no peito aberta
coronário antídoto
veia-vinho-rosé
vida tinta em pétalas

A praça sem banda
o banco sussurrando o vazio
amores esquecidos na folha
chão-papel-vento...

Afrorubroc(s)er do pensamento
no ruivo fio de cabelo
o perfume de um novo dia
entrelinhas-novelo-labirinto...


(Raiblue)

2 comments:

IVANCEZAR said...

Feliz de estar aqui, poder deixar um beijo a uma PARCEIRA de caminhada - a um talento - a um amor de pessoa ... Pessoa - poeta, paisão , mulher, bonita , amiga ...
Que o Grande Arquiteto do Universo de conserve assim, divina , querida e que nós possamos conviver na plenitude de nossa opção pelo melhor de todos os caminhos do bem : - NOSSOS VERSOS, passaporte para a utopia de um mundo melhor , de gente com o G maior , o G da geração , o G da grandiosidade ...
Não sei se consegui dizer tudo ...
Beijo !

Jéfte Sinistro said...

"Borboletas se equilibram no espaço" - como rabiscou em uma de suas músicas, Chico Science - e, nós, nos equilibramos nas cordas bambas de nós mesmos... Ora equilibristas, ora palhaços embriagados (de um 'circo sem futuro') na iminência da queda...
O 'Eu' é mais 'Nós' do que qualquer outra coisa...

A noite é escura, porém serena. E o crepúsculo sempre traz um novo alvorecer... Viajar no tempo, equilibrar-se, perder-se, nascer num novo dia... Afrorubrorescer.