Wednesday, February 25, 2009

Correm tesas as beiras...



A corrente
a cor rente
aos nossos olhos
Sumus
húmus
somos
a poça
e o poço
o passo
e o paço
o aço da palavra
que constrói o anzol
somos a linha
e o linho
que tece
o ninho
e o voo...
asa e pés
a mil pés
da superfície...
somos o fundo
e o furo
e o olho a espiar
o escuro
somos o tempo
que não espera
nova era
já era
por hora
só o agora
o arco
e a flecha...

(Raiblue)

3 comments:

samuca santos said...

rayto do meu sol, arrasando como sempre, hem?

ó, te inclui numa brincadeira interessante, vale uma caricatura sua ou de um amigo. mas você não é obrigada a participar...
as regras tão lã no blog.
bjs

Marcos said...

Se mostra uma poetisa (me desculpem, senhoras e senhores, mas não suporto usar "poeta" para escritoras) de mil faces e facetas. Eis aqui uma poesia concreta de boa cepa, ritmo e pretexto. Muito bom!

Compulsão Diária said...

Lindo poema! Incrível teu domínio da palavra.