Wednesday, March 05, 2008

Selvagens de terno


Lá vai o homem ...
Drummondiandando
Catando as pedras do caminho
Sem sapatos
Pés descalços
Zapata no coração
Lá vai o homem ...
Na contramão
Do sistema
Clamando revolução
Terra para pisar
Plantar os sonhos
Brotar nação
Despertar Zumbi
Nos palmares
E no sertão!
Lá se foi o homem...
Passos atrofiados
Pelo sangue derramado
Sobre o chão rachado
Pela disputa do espaço
Direito de todo cidadão
Erosão da vida, esvaindo-se
Manchando o céu da bandeira
Apagando as estrelas
Proclamando a ordem
Dos burocratas
Na desordem brasileira
Onipotentes mentes
Cordilheiras de imbecis
Leis de fogo
Nas mãos, fuzis
Tragicomédia humana
Homens se devorando
Primatas modernos
Selvagens de ternos
Brindando com o sangue
Da população
O império da corrupção!

(Raiblue)

1 comment:

Max da Fonseca said...

"Nada prejudica tanto uma nação, quanto gente astuta passar por inteligente" (Francis Bacon)

Sábio seu espaço.