Saturday, December 01, 2007

Avesso




Definitivo ponto

Preciso parto

Parto

Em busca de um porto

Inseguros passos

Ampulhetas

Marcam o tempo

Na movediça areia

Na roleta, a vida

É lançada

Destino ou acaso

Movimento contínuo

O tempo não pára

Seguro em seus fios

Teço meu caminho

Antigo quadro

Que sempre refaço

Com outras molduras

Crio novos retratos

Sou vários

E um só olhar

Da alma

Que está sempre

A me habitar...

Círculos mágicos

Cíclica vida

No fim

O começo

Não existem

Saídas além do olhar

Só por dentro....

No avesso de mim

Me reconheço....

Finalmente

Quase sou

Desapareço ...

(Raiblue)

1 comment:

A.S. said...

A roleta da vida...
É este o intenso medo
Não pelo mundo a desaparecer,
não pelas mágicas sensações do vazio
Mas pelo que vês no avesso de ti...


Beijos!